terça-feira, 5 de junho de 2007

Moral ou Sobrevivência?

Vivemos o paradoxo de duas perspectivas (local e universal) e entre verdades opostas.

Do ponto de vista local e particular, a Lei da Selva é a verdade: "o mais forte (ou rápido) come o mais fraco (ou lento)". Ao seu lado, a Lei de Gerson se impõe: "eu antes". Na perspectiva individual, o egoísmo é um dado do real. Se não do animal, do gene. Quando se radicaliza na vertente de Darwin, o egoísmo se torna moral: utilitarismo. O gene que não pensa e opera segundo as leis da natureza produz moralidade e racionalidade no homem.

Leis da natureza? A perspectiva universal, o ponto de vista da eternidade (porque a realidade é eterna), inverte a verdade individual. Aqui impera a Lei Áurea - "não faz ao outro o que não queres que te façam" - e seu corolário, a Lei da Colheita: "colhes o que semeias". Quando o homem começa a plantar e pastorear começa a moral. Talvez por medo de outro mais forte, o forte não abate o fraco. Medo: moral de rebanho. Se se aprende a moral por medo e acata-se a lei por submissão ou prudência, pode-se depois compreendê-la através do conhecimento e adotá-la por opção. Aí, a moral do rebanho se torna uma ética indivídual e racional. Aí, a Lei Áurea encontra sua versão positiva: "faz ao outro o que queres que te façam". Uma ética de ação, e não uma moral de repressão. Chega-se ao ensinamento de Cristo: "ama ao outro como a ti mesmo". E, acrescente-se, não fica na intenção, demonstra esse amor por atos.

Na perspectiva da eternidade, também se inverte a métrica da valorização egoísta e imediatista. O eu, o aqui e o agora deixam de imperar. Na calma da apreciação, adquire-se a capacidade da transcendência: o todo vale mais do que a parte. Se é bom para mim e não é bom para a minha família, não é bom para mim. Se é bom para a minha família e não é bom para o meu povo, não é bom para a minha família. Se é bom para o meu povo e não é bom para a humanidade, não é bom para o meu povo. Chega-se à perspectiva ecológica: se é bom para a humanidade e não é bom para o planeta (Gaia?), não é bom para a humanidade.

Mas quem pode viver acima das nuvens? Quem tem calma para avaliar? O presente, cada vez mais instante, nos chama e nos prende na circunstância imediata. É nesta circunstância presente e local que se vive. Com urgência, mais do que calma, espicaçados por um sem número de demandas e oportunidade, encontros e desencontros. Neste mundo sem tempo para pensar, a lógica é local, a lei é a da selva e o valor maior é o eu. Será que o gene egoísta conseguirá sobreviver? Não percamos a esperança: depois que as idéias e o idealismo perderam a força, os baluartes da moral são defendidos pelos genes, e o utilitarismo resiste.

3 comentários:

Marcelo disse...

Caro Jaime, o seu texto nos faz relfletir bastante e eu, particularmente, como estudante de Economia (4° semestre), a cada dia tenho mais perguntas e menos respostas acerca deste nosso mundo.

Tantas teorias, fórmulas matemáticas, modelos econométricos... Tudo e nada fazem sentido.

Continuarei em minha busca de respostas.

Abraço,

Marcelo Britto disse...

Caro Jaime, seu texto nos leva a uma boa reflexão e eu, como estudante de Economia (4° semestre) a cada dia tenho mais perguntas e menos respostas para este nosso mundo.

Tudo e nada faz sentido

Mas pobre de Gerson, afinal ele fez muitos gols pelo time dele...

he he he...

Abraço,

Jaime Wagner disse...

Marcelo, obrigado pela leitura. Não desista de conhecer e filosofar. Mesmo que seja para chegar ao cinismo, que é sempre egoísta, até quando virtuoso. Podes adotá-lo no sentido político, como Maquiavel: o objetivo é o poder e este fim justifica qualquer meio. Ou o cinismo moral de Diógenes: o poder não é nada, a virtude é tudo, os meios contam mais do que os fins, o que importa é o caminho, não o destino.